>>

Rita Oliveira

Rita Oliveira

 

Rita Oliveira - Oficial Bombeira Estagiária

 

    A Ana Rita Oliveira tem 27 anos, foi admitida nos B.V. Lisbonenses em Agosto de 2013 e tem a categoria de Estagiária a Oficial Bombeiro.

    No seu curriculum conta já com alguns Cursos de formação base como o TAT (Tripulante de Ambulância de Transporte), Desencarceramento, e os módulos 1 de Fogos Urbanos e Fogos Florestais, o que lhe permite desempenhar a sua tarefa bombeira.

    Como surgiu a oportunidade de ingressar nos B.V. Lisbonenses?
    Durante uma conversa com o Comandante dos Bombeiros de Vila Nova de Poiares numa concentração de motards em Faro, coloquei-lhe a questão porque já tinha pensado em ingressar num corpo de Bombeiros mas nunca tive quem me guiasse nesse meu objectivo. Durante essa conversa, o Comandante de Poiares disse-me que já sabia com quem iria falar. Posto isto, telefonou directamente para o Comandante Jorge Fernandes e estabeleci o meu primeiro contacto. Daí até ser admitida foi tudo muito rápido.

    Descreva-nos o seu percurso.
    O meu percurso ainda é muito pequeno. Entrei para os Bombeiros Lisbonenses em Outubro de 2013. Durante alguns meses não fui escalada para serviços mas podia permanecer no quartel de modo a entender o funcionamento do mesmo. Ao fim de dois meses, depois de adquirir algum conhecimento básico comecei a sair para serviços com outros colegas de modo a ser supervisionada. 

    Desde o seu ingresso, qual foi o seu maior desafio? 
    Irei ter muitos desafios ao longo da minha carreira. Até ao momento foi conseguir manter na cara a máscara que nos permite respirar em locais com atmosfera viciada e, depois, lidar com o facto de passar para a carreira de Oficial Bombeiro porque inicialmente a minha carreira era para a carreira de Bombeira.

    Quais são os seus interesses e que hobby pratica?
    Fui escuteira e pratiquei durante muito tempo equitação. Fiz parte também de uma equipa de voleibol.

    Como define os B.V. Lisbonenses?
    Os Lisbonenses são um Corpo de Bombeiros em reconstrução. Há uma retoma ao interesse e à motivação por parte de todos os colegas devido à dinâmica que este comando tem imprimido no CB. Diria que os quando entro aqui, me sinto em casa.

    O que é ser Bombeiro?
    Ser Bombeiro é um modo de estar na vida. É ser diferente dos demais, é agir quando os outros ficam quietos.

José Machado

José Machado

 

Estagiário - José Machado

 

    O "Entre Nós" apresenta-lhe hoje o José Machado.

    Nome: José Alexandre Machado
    Idade: 31 anos
    Data de admissão no C.B. : Outubro de 2013
    Categoria: Estagiário
    Cursos: TAT; DAE; SD; Nível I Fogos Urbanos e Industriais; Nível I Fogos Florestais

    Como surgiu a oportunidade de ingressar nos B.V. Lisbonenses?
    Foi por iniciativa própria que decidi ingressar nos Bombeiros em 2013 e, apesar de já antes ter amigos nos Lisbonenses, as condições para o ingresso ainda não estavam reunidas. 

    Descreva-nos o seu percurso.
    Acabei recentemente a minha formação inicial de Bombeiro e já participei nalgumas saídas de socorro como terceiro elemento na tripulação de uma ambulância. Também começo a participar em actividades agendadas, como as prevenções em eventos desportivos e culturais e faço os serviços de escala. Por enquanto a minha actividade tem sido esta e, aproveito o mais que posso este período de estágio para absorver o mais possível os conhecimentos que na formação não aprendemos. 

    Desde o seu ingresso, qual foi o seu maior desafio?
    O meu maior desafio tem sido a conciliação da vida familiar com o voluntariado.

    Quais são os seus interesses e que hobbies pratica?
    Como qualquer jovem, gosto de sair à noite e estar com os amigos. A leitura e os passeio também fazem parte das minhas preferências.

    Como define os B.V. Lisbonenses?
    É um orgulho imenso servir a causa dos Bombeiros através dos Lisbonenses. É uma casa com um historial imenso e de que me honra muito fazer parte.

    O que é ser Bombeiro?
    Ainda me é difícil definir os Bombeiros mas passa, creio eu, por estar disponível para os outros. É um trabalho em prol da comunidade que poucas pessoas estão dispostas a fazer.

 

Bruno Rodrigues

Bruno Rodrigues

 

Estagiário - Bruno Rodrigues

 

    O Bruno Rodrigues é filho de um casal amigo. É filho da Carla Almeida que conheço desde a adolescência e deposito nele a esperança de se tornar um bom bombeiro – eu sei que vai ser. Daqueles que associam a boa condição física ao conhecimento. O Bruno tem aqui a oportunidade de se tornar num bombeiro de referência. Assim ele queira e se interesse por aprender o que os veteranos lhe transmitem. 

    Nome: Bruno Almeida Rodrigues
    Idade: 18 anos
    Data de admissão no C.B.: 2013
    Categoria: Estagiário
    Cursos: Em formação

    Como surgiu a oportunidade de ingressar nos B.V. Lisbonenses?
    A oportunidade surgiu de forma natural. Fazia parte da equipa de manobras e já frequentava o quartel porque a minha mãe, a Carla Almeida, já era cá bombeira. 

    Descreva-nos o seu percurso.
    Pertenci à equipa de manobras e à fanfarra onde tocava caixa. Também fazia parte da equipa de futsal onde jogava na posição de pivot. 

    Desde o seu ingresso, qual foi o seu maior desafio? 
    O meu maior desafio foi iniciar a minha escola de recrutas. Eu sou um jovem e sei que ainda tenho uma vida pela frente mas, os jovens actualmente são aliciados para outras áreas e também há novos interesses que apesar de gostar deles, consigo incluir os Bombeiros nas minhas actividades. Às vezes o meu maior desafio é mostrar aos outros jovens que ser bombeiros também é interessante.

    Quais são os seus interesses e que hobbies pratica?
    Eu interesso-me por quase tudo. Estou numa idade de descoberta do mundo dos adultos e tento aprender tudo o que posso. Como hobbie, pratico basketball e gosto de informática.

    Como define os B.V. Lisbonenses?
    Ser Lisbonenses é sentir que esta é a minha segunda família ou uma segunda escola porque aqui aprendo coisas que um jovem dito normal não aprende. Os Lisbonenses são grandes! Há aqui bons bombeiros e a união entre colegas é fantástica. Isto é mesmo como uma família!

    O que é ser Bombeiro?
    Eu ainda não sou bombeiro mas quando o for, e, nesta linha de progressão que estou a viver, é aplicar os meus conhecimentos em prol da sociedade.

Carlos Ventura

Carlos Ventura

 

Bombeiro de 3ª - Carlos Ventura

 

    O "Entre Nós apresenta-lhe hoje o Carlos Ventura. Veja o que tem para nos contar!

    Nutro pelo Ventura um enorme carinho. Provavelmente nem ele sabe disso mas a verdade é que não sou só eu a sentir isto por ele. É conhecido por ser ponderado, bom conselheiro, camarada e amigo e talvez por isso sintamos que o Ventura estará sempre presente. Trabalhei com ele durante sete anos e foi, durante esse tempo, uma referência para mim e todos os outros. Eu também fui dos que o aliciou a vestir a nossa farda e cada vez mais tenho noção de que foi uma boa escolha.

    Nome: Carlos Hernani Ventura
    Idade: 58 anos
    Data de admissão no C.B.: Fevereiro de 1995
    Categoria: Bombeiro de 3ª classe
    Cursos: TAT, DAE, Curso de 1ª Intervenção em Fogos Florestais.

    Como surgiu a oportunidade de ingressar nos B.V. Lisbonenses?
    Em 1995 trabalhava com alguns colegas que eram bombeiros. Por ter sido durante muito tempo aliciado por todos eles, decidi experimentar, apesar de contar à época com 42 anos de idade.

    Descreva-nos o seu percurso.
    Tenho tido um percurso muito calmo. Por ter dois filhos e ter um horário de trabalho por turnos, nem sempre é fácil conciliar tudo isto, no entanto, o Comando do Corpo de Bombeiros conhece a minha situação e sabe que conta sempre com a minha disponibilidade.

    Desde o seu ingresso, qual foi o seu maior desafio? 
    Sem dúvida que ter feito o meu curso com 42 anos foi um desafio enorme. Tinha a minha estabilidade profissional e familiar, com as suas rotinas e a tranquilidade que tanto apreciava e, de repente vejo-me a fazer um curso de bombeiros ao lado de miúdos com 20 anos, a subir escadas de ganchos e todas a outras manobras que nos eram exigidas. Isto era uma coisa de loucos, para não falar dos horários de trabalho que me dificultavam tudo isto porque tinha que fazer trocas de serviço para poder estar sempre presente. Foi sem dúvida o meu maior desafio em toda a minha carreira de bombeiro.

    Quais são os seus interesses e que hobbies pratica?
    Gosto imenso de Futebol e tudo o que a ele está ligado. Já fui praticante e de vez em quando ainda faço uma perninha mas também gosto muito de música e de passear com a família. 

    Como define os B.V. Lisbonenses?
    Até vir para os Bombeiros não sabia o que isto era. Quando cheguei cá, fui muito bem acolhido pelos meus camaradas e estou numa casa onde me sinto muito bem. Gostaria por isso de dar um pouco mais do meu tempo. Os Lisbonenes são um Corpo de Bombeiros que apesar de inseridos na cidade de Lisboa, são muito activos. Esta é, sem dúvida, a minha casa.

    O que é ser Bombeiro?
    Ser Bombeiro é sentir-me bem comigo mesmo. É fazer o que puder por alguém que precise de mim sem esperar retorno das minhas acções.

David Silva

David Silva

 

David Silva - Bombeiro de 3ª

 

    O "Entre Nós" convida-o hoje a conhecer o David Silva. Um bombeiro que veio de outro Corpo de Bombeiros mas que se adaptou com extrema facilidade à casa onde hoje está.

    Não conheço muito bem o David. Mas o pouco que conheço, permite-me ter dele a noção de estar perante um homem com um coração imenso. A calma e a humildade associadas à sua experiência de vida fazem dele um bom malandro. Um malandro muito querido por todos nós.

    Nome: David José Marques da Silva
    Idade: 53 anos
    Data de admissão no C.B.: 2004 (bombeiros desde 1977)
    Categoria: Bombeiro de 3ª classe
    Cursos: TAT, DAE, Digal

    Como surgiu a oportunidade de ingressar nos B.V. Lisbonenses?
    Vim para os Lisbonenses devido a um período menos bom noutro CB de onde eu mais um grupo de colegas saímos para os Lisbonenses. 

    Descreva-nos o seu percurso.
    Vim para os Bombeiros porque tinha um irmão que já o era nos Voluntários de Lisboa e um dia, assisti a um fogo e fiquei fascinado. Decidi ser bombeiro nessa altura. Estávamos em 1977. Como já referi, inscrevi-me nos Bombeiros Voluntários da Ajuda e por lá estive muitos anos até que um dia resolvi transferir-me para os Lisbonenses onde, aliás, fui muito bem acolhido.

    Desde o seu ingresso, qual foi o seu maior desafio? 
    O meu maior desafio foi escapar a um cerco que o fogo nos fez em Aljezur. Nesse fogo estava junto do colega Reis e foi o momento mais desafiante. Em causa estava a preservação da nossa integridade. Felizmente tudo correu bem e hoje estamos aqui.

    Quais são os seus interesses e que hobbies pratica?
   O meu hobbie é os Bombeiros. Tenho uma vida absolutamente normal mas é nos Bombeiros que encontro o meu escape. É aqui que renovo as minhas energias. Às vezes gosto de pescar mas o vício dos Bombeiros é bem maior.

    Como define os B.V. Lisbonenses?
    Os Lisbonenses são uma casa que me merece todo o respeito. É uma casa com muito trabalho feito. Acolheram-me muito bem e isso não esqueço. Aqui sinto que é a minha segunda casa.

    O que é ser Bombeiro?
    Ser-se Bombeiro é ser alguém que está disposto a abdicar de si mesmo em prol de alguém; um desconhecido. É ter o espírito aberto para os outros e perceber que na nossa profissão temos que estar disponíveis para qualquer coisa.

Área Reservada