>>

Daniel Tapadas

Daniel Tapadas

Daniel Tapadas - Bombeiro de 2ª

 

    O “Entre Nós” traz até si o Daniel Tapadas. Dos entrevistados até ao momento, é o único que eu não conhecia pessoalmente, apesar das referências elogiosas que lhe eram prestadas. O Daniel mostrou-se desde o primeiro instante uma pessoa humilde, culta, conhecedora de Bombeiros, extremamente colaborante com o que lhe havia sido pedido e perfeitamente integrada neste CB.

   Nome: Daniel Mesquita Tapadas
   Idade: 33 anos
   Data de admissão no C.B.: Agosto de 2013
   Categoria: Bombeiro de 2ª Classe

   Cursos: TAS; Comunicações em Emergência; Nadador Salvador; Condutor de Embarcações de Socorro; Brigada Helitransportada; Helicordagem; Salvamento em Grande Ângulo; Condução Fora de Estrada; Desencarceramento.

   Como surgiu a oportunidade de ingressar nos B.V. Lisbonenses?
   A oportunidade surgiu através do convite feito por colegas de trabalho também bombeiros. O Carlos Ventura, o Miguel Leiria, o Fernando Cardoso e o Miguel Lourenço são os responsáveis por neste momento estar aqui.

   Descreva-nos o seu percurso.
   O meu percurso começa nos Bombeiros da Força Aérea Portuguesa, onde estive de 1999 a 2005. Em 2003, ainda durante o serviço militar ingressei nos Bombeiros Voluntários de Beja, onde permaneci até 2011. Em 2008 concorri à Força Especial de Bombeiros (FEB) onde estive até 2012. Em 2011 ano transferi-me para uma cidade da periferia de Lisboa e fui admitido nos Bombeiros locais. Como tive uma enorme dificuldade de adaptação a esse CB, em Agosto de 2013 aceitei o convite dos colegas e vim para os Lisbonenses onde fui muito bem recebido desde o primeiro instante.

   Desde o seu ingresso, qual foi o seu maior desafio? 
   Não elejo nenhum evento como o maior desafio. Este, talvez esteja para chegar.

   Quais são os seus interesses e que hobbies pratica?
   Sou praticante de desporto. Faço ginásio e atletismo não federado apesar de já ter sido atleta. Fui treinador de atletismo e actualmente sou actor amador, levando o teatro aos hospitais através do meu outro projecto “Dr. Dói-dói”.

   Como define os B.V. Lisbonenses?
   O que destaco nos Lisbonenses é o facto de oferecem um ambiente familiar. É também onde se consegue fazer mais tendo menos equipamento mas, graças ao empenhamento e profissionalismo, elevamos constantemente os padrões de qualidade.

    O que é ser Bombeiro?
    Sou bombeiro de consciência e não de coração. Ser bombeiro nunca esteve nos meus horizontes mas senti muito cedo que a vida é mais que vivermos só para nós. É, acima de todas as coisas, um acto de cidadania que desempenho com enorme satisfação. Aplico o meu tempo livre em prol dos outros; é desta forma que me sinto útil.

Área Reservada