>>

Sacos de plástico vão custar 10 cêntimos em 2015

Sacos de plástico vão custar 10 cêntimos em 2015
 
    Os sacos de plástico vão passar a custar dez cêntimos, incluindo o IVA, a partir do próximo ano, informou hoje o ministro do Ambiente, Jorge Moreira da Silva.
"É criada pela primeira vez uma taxa sobre os sacos de plástico leves, de oito cêntimos, que com IVA dará dez cêntimos", informou hoje o ministro do Ambiente, em conferência de imprensa para a apresentação da proposta do Governo de Fiscalidade Verde.
Moreira da Silva indicou que o objetivo é reduzir, já em 2015, a utilização destes sacos dos 466 para os 50 por habitante durante o ano, sublinhando que esta média de uso de sacos de plástico em Portugal "é muito superior" à da União Europeia.
Com esta medida o Governo prevê arrecadar cerca de 40 milhões de euros.
"O objetivo não é que as pessoas paguem este imposto mas que deixem de usar os sacos de plástico", afirmou. Nesse sentido, o Executivo estima que a utilização de sacos de plástico caia para os 35 por habitante por ano em 2016.
Esta proposta do Governo é semelhante à da Comissão de Reforma da Fiscalidade Verde, liderada por Jorge Vasconcelos, entregue ao Governo em setembro.
 
Fonte: Lusa
 

Junta de Freguesia de Santo António faz um Donativo aos B.V. Lisbonenses

Junta de Freguesia de Santo António faz um Donativo aos B.V. Lisbonenses
 
    Cumpre-nos informar que hoje recebemos uma visita que nos é muito querida: O Sr. Presidente da Junta de Freguesia de Santo António, Vasco Morgado.
 
Em mão e num ambiente informal, o amigo Vasco Morgado trouxe-nos um presente de Natal antecipado: Um cheque que irá ser investido na melhoria contínua do socorro à população que servimos.
Este é o exemplo do importante papel que a Junta de Freguesia de Santo António tem no apoio aos Bombeiros e, que se traduz na estreita relação que fazemos questão de avivar através das mais variadas acções.
 
Obrigado Vasco Morgado,
Obrigado Freguesia de Santo António.
 
 
Donativo da Junta de Fregusia de Santo António aos Bombeiros Voluntários Lisbonenses

Protecção Civil Assume Fragilidades na Actuação dos Bombeiros nos Casos de Ébola

Protecção Civil Assume Fragilidades na Actuação dos Bombeiros nos Casos de Ébola
 
    Numa altura em que se vão adensando as dúvidas sobre a preparação das autoridades portuguesas para fazerem face aos casos da epidemia do Ébola, e que têm vindo a lume algumas situações que demonstram alguma fragilidade e impreparação do sistema, o Comandante Distrital da Protecção Civil de Santarém considera que existe falta de informação aos Bombeiros e que esta não é compatível com as missões de socorro a doentes que os Bombeiros desempenham. 
 
Num comunicado enviado a todos os Comandantes das Corporações dos Bombeiros do Distrito ontem ao fim da tarde, o Comandante Operacional Mário Silvestre envia um conjunto de informações adicionais sobre a matéria, recolhida junto das autoridades de saúde do Distrito, mas ao que apurámos são iguais às que qualquer pessoa pode consultar e conhecer pois estão publicadas no sítio da Direcção Geral de Saúde. 
 
O Comandante aponta falhas à DGS e o INEM, que não estarão a desempenhar bem o seu papel enquanto entidades com inteira responsabilidade na matéria, ao criarem um vazio de informação actualizada ao dispor dos Bombeiros. 
 
Nesse comunicado recomenda aos Comandantes que essa informação seja utilizada para um melhor conhecimento de intervenção nessas situações sobre a utilização de equipamento adequado e formas de actuação, concluindo-se que até agora não terão existido indicações suficientes da ANPC às Corporações de Bombeiros.
 

App112: A Primeira APP de Emergência para Surdos-Mudos Criada em Portugal

App112: A Primeira APP de Emergência para Surdos-Mudos Criada em Portugal
 
    João Gomes, cidadão surdo e presidente Earthwnd, não hesita na hora de fazer o anúncio: a app112 é a primeira app capaz de ligar cidadãos com limitações físicas a serviços de bombeiros, polícia e ambulâncias. Está disponível em Android. O serviço tem um custo mínimo de 20 euros anuais.
 
Para a maioria dos cidadãos que usam telemóveis, a questão não se coloca. Para quem é surdo ou mudo é uma missão bastante mais complicada: como enviar um alerta para o serviço de emergência 112? João Gomes conhece bem a dificuldade – ou não fosse um empresário surdo e também o criador da App112, provavelmente a primeira aplicação para telemóvel, que permite a uma pessoa com limitações visuais, da fala e da audição enviar alertas georreferenciados para um serviço de atendimento especializado.
 
A App112 tem por pressuposto que o utilizador forneça dados sobre o tipo de limitações que o afetam. Consoante esta descrição a app vai definir qual a melhor forma de comunicar um alerta. «Na app, o alerta é lançado escolhendo apenas o destinatário (bombeiro, polícia ou ambulância) e pressionando num botão. O utilizador não necessita de escrever ou de explicar (por fala ou linguagem gestual) o acontecimento que gerou o alerta. Basta que selecione o tipo de alerta e prima no botão correspondente», explica João Gomes, num e-mail enviado para a Exame Informática.
 
A nova app está apta a enviar, a qualquer hora do dia e em qualquer lugar do mundo, alertas de pessoas surdas; pessoas surdas-cegas; pessoas ouvintes-cegas; pessoas idosas ouvintes; pessoas idosas surdas; pessoas com deficiência; e pessoas sem deficiência. A App112 também deixa em aberto o uso de videochamadas por Wi-Fi, 3G ou 4G e o envio de notificações para amigos ou pessoas responsáveis no apoio aos diferentes tipos de utilizador.
 
Apesar de facilitar o acesso a um serviço de emergências, a app pensada pela Earthwnd e implementada pela Appylab tem um custo anual de 20 euros para quem quiser garantir acesso ao serviço de emergência 112 georreferenciado.
 
A este valor poderão juntar-se os custos da modalidade de teleassistência, caso o utilizador queira beneficiar do atendimento por videochamada.
 
A app não comunica diretamente com os serviços de atendimento do 112, apenas funciona como um intermediário que facilita o acesso aos serviços de proteção civil: «A informação é filtrada através dos operadores da app112 que utilizam o backoffice que desenvolvemos, e é enviada para o 112 (Número Europeu de Emergência) com os dados relativos ao nome do utente, tipo de deficiência, tipo de doença e localização da ocorrência», acrescenta João Gomes.
 
A nova app, que também conta com uma versão disponível num endereço web, começou a ser desenvolvida em junho – e fez estreia no final de setembro.
 
Por enquanto só nas lojas do Android será possível descobrir a versão app. Em breve, deverá estrear uma versão para iOS.
 
Fonte: Exame Informática
 

Cerca de 50 Técnicos em Protesto Frente ao INEM

Cerca de 50 Técnicos em Protesto Frente ao INEM
 
    Cerca de meia centena de técnicos de ambulância de emergência estavam cerca das 12:20 concentrados frente à sede do INEM, em Lisboa, para reclamarem melhores condições de trabalho, mais formação e a criação de uma carreira própria.
 
Falta de técnicos de ambulância de emergência e de técnicos operadores de telecomunicações, acumulação de turnos, excesso de horas extraordinárias, falta de formação e pausas durante os turnos são algumas das queixas destes profissionais, que reclamam também a criação da carreira de técnico de emergência médica.
 
Estas queixas foram transpostas para os cartazes que os manifestantes empunham, enquanto gritam palavras de ordem ao som de sirenes e apitos.
 
"Basta de hipocrisia", "Melhores condições de trabalho", "Mais formação", "35 horas semana" e "Contratação de mais técnicos" são algumas das mensagens inscritas nos cartazes.
 
Estas e outras reclamações dos técnicos constam de um caderno reivindicativo que o Sindicato dos Técnicos de Ambulância de Emergência pretendia entregar ao conselho diretivo do Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM), mas que conseguiu apenas entregar no gabinete de comunicação social do instituto.
 
Os técnicos pretendem marchar até ao Ministério da Saúde, na Avenida João Crisóstomo, em Lisboa, para entregar o mesmo documento.
 
Fonte: Lusa
 

Área Reservada